Representantes de áreas da Sudeco discutem Plano de Logística Sustentável

Representantes de áreas da Sudeco discutem Plano de Logística Sustentável

Por Assessoria de Comunicação

Publicação: Seg, 07 Ago 2017 15:41:00 -0300

Última modificação: Seg, 07 Ago 2017 16:06:00 -0300

Engenheiro da Agefis vistoria escada da Sudeco

Representantes de todas as áreas da Superintendência do Desenvolvimento do Centro-Oeste (Sudeco) se reuniram com membros do Grupo de Trabalho Esplanada Sustentável (GTPES) da autarquia, na última semana, para sugerir diretrizes para o Plano de Gestão de Logística Sustentável da Sudeco 2017, documento confeccionado anualmente. O objetivo do Plano é incentivar a implementação de rotinas administrativas mais sustentáveis.

Entre as metas do Plano para este ano estão reduzir o consumo de água e de energia, por meio do monitoramento de vazamentos; manter o serviço de lavagem ecológica para veículos oficiais - que utiliza produtos específicos de limpeza em vez de água -; observar a média dos gastos com luz e aproveitar ao máximo a energia solar. Outra possibilidade é, de médio a longo prazo, transferir algumas atividades internas para o módulo home office (trabalho em casa).

De acordo com a coordenadora do Grupo, Lourdiane Dias, após a Sudeco aderir a Agenda Ambiental na Administração Pública (A3P), a exigência de um Plano de Logística efetivo aumentou. "Precisamos identificar como cada área poderá contribuir com o Plano. Como nós, do grupo, não temos conhecimento sobre o trabalho de cada uma dos setores, precisamos de auxílio e de pontos focais em cada seção", explicou ela.

 

VISTORIA

Um engenheiro da Agência de Fiscalização do Distrito Federal (Agefis), o servidor Sandro Cardoso, foi convidado a comparecer a autarquia, na tarde desta segunda-feira (7), para verificar as condições de acessibilidade em cada um dos três andares da Superintendência, com sede localizada em Brasília (DF).

A adequação também está prevista no Plano de Gestão de Logística Sustentável. De acordo com o documento, portas, cadeiras, elevadores e escadas precisam estar apropriados para cadeirantes, deficientes físicos e visuais.

Segundo o engenheiro, haverá poucas modificações a serem feitas na Sudeco. “Aqui as portas já têm o tamanho necessário para o trânsito de cadeirantes, por exemplo, além disso, o prédio possui elevador e há fitas antiderrapantes nas escadas, o que é muito bom”, comentou.

Entre as mudanças necessárias estão a colocação de sinalização tátil, visual e de mais um corrimão na escadaria que liga o décimo nono ao vigésimo andar.

As sugestões foram passadas à área de Logística e ao Grupo de Trabalho Esplanada Sustentável para que sejam tomadas as devidas providências.